Marina Oliveira, Secretária de Saúde, concede entrevista à Nova Norte FM

Sem dúvidas, a saúde de Bragança Paulista é o setor que tem gerado mais polêmicas nos últimos dias, seja por conta das tratativas com a Organização Social (OS) ABBC, atualmente responsável pelos serviços de pronto atendimento e atenção básica do município, ou mesmo pela notícia que repercutiu no último fim de semana a respeito do possível envolvimento da Secretária de Saúde, Marina de Fátima Oliveira, em esquema de propina.

No sábado, 24 de junho, o Grupo Bom Dia, da cidade de São José do Rio Preto, publicou uma matéria a respeito de uma denúncia de que Sheakespeare, candidato a prefeito de São José dos Campos nas eleições de 2016 e Marina, candidata a vice-prefeita, teriam recebido dinheiro, em caixa 2. De acordo com a matéria, “O dinheiro teria sido doado pela Cintra Serviços Médicos Ltda. As denúncias apontam ainda a doação, também em caixa 2, de organizações sociais ligadas ao grupo Pro Saude (InSaude, VitaleSaúde, Pro Saúde, entre outras, de propriedade do Sr. Paulo Camara. Este grupo teria doado outro R$ 100 mil diretamente a Marina de Fátima e Sheike”.

A denúncia afeta diretamente os bragantinos, pois duas das empresas citadas: In Saúde e Pró Saúde, esta, do município de São José do Rio Preto, foram qualificadas e estão concorrendo ao processo de licitação para assumir a gestão da saúde do município de Bragança no próximo semestre.

Diante disso, o jornalista Sérgio Loredo, da Nova Norte FM, conseguiu uma entrevista com a secretária para que ela pudesse se manifestar a respeito destes e outros assuntos e você confere abaixo:

Sérgio Loredo - O que a secretária tem a dizer sobre as denúncias de envolvimento em esquema de propina, divulgados nesta semana?

Marina de Oliveira - Na verdade eu gosto mais de falar do meu trabalho, que é o que a gente tem feito aqui em Bragança, bastante forte. Não somente eu, mas toda a equipe da Secretaria de Saúde. E é por isso que nós estamos conseguindo tirar a saúde da situação que ela estava e colocá-la em uma situação bem melhor. Tem muito por fazer ainda, mas estamos fazendo. Com relação às denúncias, a coisas inverídicas, nada é verdadeiro, tanto que eu já acionei meus advogados e eles estão tomando todas as providências contra o jornal e o jornalista que escreveu. Não há nada que pese sobre mim, graças à Deus.

Sérgio Loredo - Com o que a sra. relaciona ofato de a denúncia ter sido veiculada em um jornal de São José do Rio Preto, em tese, por ter uma OS de lá, e não em São José dos Campos (onde ela mora) ou Bragança Paulista (onde trabalha)?

Marina de Oliveira - Eu não tenho a menor ideia do motivo, do porque fizeram isso. Sempre trabalhei em São José dos Campos, depois em Caraguatatuba e agora aqui em Bragança. Eu sequer conheço essa cidade, quanto mais jornalista ou o que motivou essa história.

Sérgio Loredo -  O prefeito de Bragança destaca muito que independente da cidade que apessoa venha a trabalhar, o que vale é o serviço prestado. A sra. já esteve por muitos anos em São José dos Campos, inclusive na última eleição concorrendo ao cargo de vice-prefeita e aqui está. A sra. vê alguma coisa de anormal nisso?Pessoas de outra cidade trabalharem aqui ou pessoas daqui trabalhando em outra cidade?

Marina de Oliveira - O que eu acho é que as pessoas que vem para a cidade trabalhar têm que trabalhar, que é o nosso caso.  Não só eu, mas os colegas que aqui estão eque não são de Bragança, já quase são bragantinos, como eu também. Chego aqui segunda pela manhã e fico até sexta-feira à noite quando vou embora para São José para ver minha família. Mas eu me dedico de corpo e alma a Bragança Paulista. Eu não vejo nenhum problema, ao contrário. E quando eu não estou presente fisicamente, eu estou pelo celular, porque hoje em dia todo mundo se fala pelo WhatsApp, pelas ligações… Eu estou full time, na realidade.

Sérgio Loredo -  Sobre o impasse que envolveu o pagamento aos funcionários, aos servidores, a questão da ABBC... O prefeito inclusive citou a questão da determinação judicial... Como a secretária vê toda essa situação?

Marina de Oliveira - Primeiro a gente lamenta imensamente, porque são funcionários que trabalham dia após dia para tratar da saúde, para fazer uma saúde melhor para Bragança e merecem respeito, principalmente daqueles que são seus empregadores,no caso a ABBC, que não pode deixar de pagar os seus funcionários. Nós não deixamos de fazer o repasse. A gente não conseguiu fazer agora, por conta da falta de certidão (Certidão Negativa de Débitos) e se não tem certidão alguma coisa está errada né, meu amigo, porque senão, teria certidão. A prefeitura agora está junto com os funcionários, tentando na justiça comum, na justiça do trabalho, reter a verba e pagar diretamente os funcionários,justamente com medo de que esse dinheiro não chegue às mãos de quem deve chegar.