Vereadores questionam as restrições de tráfego de caminhões na cidade

Nesta terça-feira, 18 de julho, ocorreu a 24ª sessão ordinária da Câmara Municipal, em que as matérias em pauta ficaram em segundo plano, já que a regulamentação do Decreto nº 2.484, de 12 de maio de 2017, pela Portaria n.º 001/17 da Secretaria de Mobilidade Urbana, que dispõe sobre as restrições do tráfego de caminhões em vias da cidade, entrou em vigor nesta segunda-feira (17) e tem causado muitas dúvidas na população e problemas de limitações muito severas a veículos do próprio município.

Marcus Valle acredita que muitos dos problemas que têm surgido poderiam ter sido evitados, caso houvesse um diálogo maior, inclusive com os vereadores, antes da regulamentação do decreto. “Eu diria que o problema foi enfrentado, mas foi enfrentado com um rigor muito grande. Poderia ser muito mais simples, como a gente pretendia fazer através de projeto aqui (na Câmara), em que caminhões que apenas atravessam a cidade como atalho fossem barrados”, afirma o vereador que foi quem inicialmente deu entrada com o projeto na Câmara, na legislação passada.

Além disso, Valle contesta alguns dos pontos da regulamentação que, ao seu ver, estão bastante restritivos, atrapalhando muito o tráfego local. “Alguns erros já foram constatados e todo mundo admitiu. Por exemplo, como que uma empresa de Bragança que vende material de construção não pode entregar o material entre as 7h e as 9h e entre às 17h e as 19h? Como alguém que transporta carga viva não pode passar? Não somos contra a restrição, mas vamos usar o remédio certo e não uma super carga que pode até agravar o problema ao invés de resolvê-lo”, explica.

Falta de comunicação adequada

Um outro assunto abordado na sessão desta terça foram os problemas de divulgação das atividades do Festival de Inverno, apontados pelo vereador Quique Brown. Alguns vereadores da situação disseram que Quique estaria se apegando a pequenos detalhes, mas o vereador se defende: “Quando eu aponto esse tipo de coisa não estou criando nenhuma atitude pessoal, nem nada disso. Eu acho que são coisas que a gente precisa falar para que eles se atentem e não cometam o mesmo erro no futuro. Eu acho que a divulgação é o seu cartão de visita, é a sua apresentação e por isso é preciso se apresentar da melhor forma possível. São muitos erros de gramática, pontuação, local e horários, que eu considero erros graves”, diz o vereador.

Quique também questionou a falta de segurança em um evento que ocorreu na Praça Raul Leme, no último sábado (15), em que não haviam guardas, nem policiais, em decorrência de outro evento também do Festival de Inverno, e que isso precisa ser evitado com planejamento do Executivo. Para o vereador, falta diálogo entre as secretarias. “A prefeitura tem uma comunicação interna que aparenta ser um tanto desastrosa. Como eu disse, se uma pessoa quer fazer uma atividade particular ela tem que seguir várias regras de segurança, o que deve ser feito realmente, e a prefeitura não dá o exemplo. Quando você vai ter algum tipo de aglomeração você precisa se precaver para não ocorrer coisas piores”, finalizou.