Vida em abundância: 30 anos da Pastoral da Criança na diocese de Bragança

Rafa Barbosa

“Para que todas as crianças tenham vida e a tenham em abundância” (Jo 10, 10). Essa é a missão da Pastoral da Criança, uma organização da igreja católica que tem por objetivo motivar voluntários a cuidar do bebê desde a gestação da mãe, com acompanhamento de peso e alimento, além do auxílio nos cuidados com a criança.

Atualmente, a Pastoral atende 965.793 crianças de até 6 anos em 3.554 municípios do Brasil. Na Diocese de Bragança Paulista, são 1.658 crianças de até 6 anos em 87 comunidades. Fundada há 34 anos no país, desde 1983, pela médica sanitarista e pediatra, Dra. Zilda Arns, a Pastoral desenvolve um trabalho, junto a colaboração de seus voluntários, muito rico.

Na cidade de Bragança, o trabalho desenvolvido pela Paróquia Nossa Senhora da Esperança é o mais antigo da região e mesmo em meio a trocas de coordenação e gerações, ele permanece atuante e comemora seus 30 anos de atuação neste ano.

O início

Logo que instalada a nível nacional, a Pastoral da Criança chegou à Paróquia Nossa Senhora da Esperança, como afirma padre Juzemildo Albino da Silva, sucessor do Frei Fábio, falecido em março de 2009, com quem o trabalho iniciou. “Uma das primeiras comunidades do estado de São Paulo a ser fundada a Pastoral fora da capital foi Bragança Paulista. E a primeira Paróquia que recebeu a Pastoral na diocese de Bragança Paulista foi a Paróquia Nossa Senhora da Esperança”, diz.

Desde o início, o objetivo do trabalho sempre foi auxiliar as famílias carentes da comunidade, utilizando de todas as ferramentas que a Pastoral dispõe, de combate à desnutrição e acompanhamento desde a gestação.

“Nós temos na comunidade casos de gestantes que só conseguiram gerar seus filhos e as crianças foram salvas em função de um acompanhamento muito mais próximo. Quantas delas ganharam peso, tiveram uma saúde perfeita graças à Pastoral da Criança”, conta o padre.

Juzemildo também reforça que grande parte dos itens da Pastoral eram produzidos aqui em Bragança e então distribuídos para toda a diocese, que compreende 18 cidades da região. “Muita coisa foi feita aqui na comunidade, outros eram feitos no bairro da Penha e distribuído para a diocese inteira. Mas sempre teve esse link, do material produzido aqui”, diz.

As primeiras líderes

O início de um trabalho sempre é muito difícil, mas mulheres corajosas acreditaram no projeto. Antônia Francisco, conhecida como Toninha, junto a sua cunhada, Adelina, foram uma das primeiras líderes e Toninha conta que ver necessidade das crianças foi o que as motivou a encarar esse desafio.

“Na época, a desnutrição estava muito forte aqui em Bragança. Eram muitas crianças desnutridas e famílias necessitadas. Foi algo que Deus deu uma força muito grande, porque não é fácil você deixar tudo o que você tem que fazer para correr atrás disso”, conta.

Com um trabalho de formiguinha, saíram de porta em porta aqui nas redondezas para fazer um levantamento e cadastraram inicialmente 250 crianças, que eram orientadas e acompanhadas por 28 líderes, que são as pessoas voluntárias que recebem capacitação para fazer o acompanhamento da gestante e da vida da criança até os 6 anos de idade.

Medicina Natural, xarope e soro caseiros, alimentação alternativa e multimistura, são alguns dos produtos fabricados pela pastoral e que têm por objetivo auxiliar no processo de nutrição. Toninha explica como era feita a divisão de tarefas: “Tinha uma equipe que trabalhava o remédio natural, outras desenvolveram a alimentação alternativa e ainda tivemos a possibilidade e a ideia de formar a equipe da horta caseira”, explica.

Todo esse trabalho chegou a ser reconhecido na Câmara Municipal de Bragança, como conta Toninha. “Os vereadores estavam de olho no nosso trabalho, perceberam que era forte e nos homenageou na Câmara. Ao todo eram 54 pessoas da cidade que trabalhavam na Pastoral e todas essas pessoas receberam um cartão de prata”, comenta.


A formação

A coordenadora estadual da Pastoral da Pessoa Idosa, Albertina Luiza Felice, conhecida como Ziza, que atuou e ainda é parceira da Pastoral da Criança, esteve presente na comemoração dos 30 anos de atuação da Pastoral na diocese de Bragança, em celebração que ocorreu em 12 de agosto. Durante o evento ela reforçou a importância da formação.

“Por isso eu falo da formação contínua. Vocês têm um material precioso que se consultado frequentemente estarão sempre melhorando e se informando cada vez mais. Mas também é necessário que existam as reuniões de reflexão e avaliação, onde todos os casos da comunidade são bastante discutidos, para que haja uma solução conjunta”, reforça.

Assim como o Guia do Líder, o importante livro de referência para todos os trabalhos da Pastoral da Criança, o "Laços de Amor" é um conjunto de cartelas que auxilia a atividade do líder no acompanhamento da gestante. Essas cartelas foram escritas por Ziza, que explica como surgiu o projeto.

“Eu fiz o Laços de Amor daquela experiência, daquela vivência que eu tive no serviço de saúde, trabalhando com gestantes durante 8 anos e vendo a situação aflitiva da imensa maioria delas, então surgiu a ideia”, conta.

Ziza também conta um pouco do conteúdo das cartelas, que partiram de experiências vividas pela autora. “Traz essa experiência da não aceitação da gravidez, da necessidade de ajuda à gestante, à mulher que inicia a amamentação. É a ajuda à essa mulher, essa dona de casa, essa mãe de família e com as crianças que ela tem”, finaliza.

O cenário atual

Josi Barbosa, a atual coordenadora da Pastoral na Paróquia Nossa Senhora da Esperança, conta que atualmente uma média 100 crianças são atendidas e que o trabalho continua, porém com poucos voluntários, apenas 7 líderes atuantes e explica quais as atividades são realizadas hoje.

“Não é só a pesagem e sim o acompanhamento da família toda. Saber como essa criança está, se está sendo acompanhada pelo serviço de saúde, se está com o peso adequado e também se a família corresponde às expectativas dessa criança: amor, atenção e os devidos cuidados”, explica.

Josi também conta que a partir do próximo ano as marcações das visitas serão feitas por meio eletrônico e que para isso seria interessante que pessoas jovens estivessem atuantes para colaborar.

“A partir do ano que vem terá esse aplicativo, em que na visita o líder coloca os dados que serão encaminhados à sede. Necessitamos de pessoas mais jovens por conta de toda essa informatização”, conta.

A atual coordenadora diocesana, Solange Maciel de Oliveira Servilha, conta que a quantidades de líderes hoje é muito pequena e que são necessárias mais pessoas envolvidas.

“A gente precisa de alguém para conversar, mostrar quais são os direitos, quais são os deveres, para melhorar a situação. Precisamos muito de gente comprometida com a causa, que é salvar vidas, levar vida em abundância para todo mundo”, diz.

O trabalho do líder é de levar vida em abundância e essencial no auxílio às famílias, como conta a coordenadora. “A nossa meta é alcançar, pelo menos, 10% das crianças pobres, mas não estamos conseguindo. Precisamos ampliar o trabalho em todas as Paróquias da região e trabalhar bastante”, comenta.

Mas mesmo em meio às dificuldades, Solange fala com orgulho deste anos de atuação. “São 30 anos de missão à favor da vida, é uma coisa muito importante para nós”, finaliza.

Caso você tenha interesse em fazer parte da Pastoral da Criança e colaborar para a manutenção do projeto, entre em contato na própria Paróquia Nossa Senhora da Esperança, que fica na Avenida Deputado Virgílio de Carvalho Pinto, 1000, na Planejada II ou com a coordenação diocesana na Cúria, que fica na R. Cel. Assis Gonçalves, 521 - Centro.